Estórias de Ferreira

Chamo-me Rui Antunes, sou de Ferreira do Zêzere e gosto de estórias... reais ou imaginárias, estórias da vida, de sucessos ou insucessos, prometo partilhar as minhas, espero pelas vossas...

A minha fotografia
Nome:
Localização: Odivelas

6.2.10

Rádio Jovem de Tomar... lembram-se ?

Sempre tive uma grande admiração pelo mundo da rádio, primeiro como ouvinte das rádios piratas que surgiram um pouco por todo o lado, depois como colaborador onde tive oportunidade de fazer um pouco de tudo... guardo muito boas recordações desses tempos.
No outro dia dei de caras com uma história que me fez recordar esses momentos, uma história contada por um homem que tal como eu tem uma grande paixão pelo mundo da rádio... e tem razões para isso, afinal ele foi o fundador de uma das rádios piratas de Tomar, a Rádio Jovem que emitiu em 102,00 FM, ele chama-se António Augusto e o seu blog onde partilha grandes momentos da vida dele que se mistura com a história da rádio, pode ser lido no blog http://todaradio.blogspot.com/


Deixo aqui uma parte do texto que o "Tó da Rádio" escreveu e que é nem mais nem menos do que a história da Rádio Jovem :

Aos dezassete anos já andava metido na electrónica e no caminho das telecomunicações e radioamadorismo, uma experiência nova que adquiri junto dos mais velhos que conheci. Enquanto estudava (1978) tirei um curso de electrónica por correspondência ( Álvaro Torrão ).
Sempre tive um prazer imenso por ouvir e dar a ouvir música, sempre que podia fazia com os meus colegas bailes e matines dançantes em tudo que era sitio, nas escolas e garagens, até em minha casa, sem o conhecimento dos meus pais, pois na altura discotecas eram raras para a malta se divertir, especialmente nas tardes.
Numa casa, de duas divisões que eram dos meus avós, tive uma pequena oficina para os meus “hobis” e a outra divisão era um espaço de convívio para a malta mais amiga ler, ler não, mais para ver umas revistas que o meu cunhado me trazia da fábrica de Papel do Prado, revistas essas que não deixavam de ser apreciadas por todo o pessoal, eram da “Playboy” e “Louis”, revistas que eram Francesas mas com umas fotos esplêndidas à maneira.
O meu mano que era mais velho, já tinha em seu poder uma colecção invejável de música (em vinis), que não me deixava levar para lado nenhum. Daí a luta para poder ouvir a música no meu espaço ( oficina ), que era pouco distante da casa.
Em conversa com alguns amigos do ramo da electrónica e pessoas mais velhas, percebi que poderia construir um pequeno oscilador para funcionar em FM (frequência modulada ) e assim podia transportar o sinal via rádio de um espaço para outro, sem ter a necessidade de esticar fios.
Assim foi, meti mãos à obra para realizar a sua construção com muito custo, desde conseguir arranjar os componentes que eram necessários, o dinheiro para os comprar, em fim uma panóplia de situações que hoje dá vontade de rir, assim fiz esse pequeno oscilador.
Realizei a sua montagem, vem aí outro episódio para rir:
quando se ajustava a frequência com as mãos no componente, que era um condensador variável, credo fazia umas harmonias (interferências em várias frequências) de tal ordem que interferia com os televisores que se encontravam no seu alcance, as imagens viravam o boneco. Quero eu dizer, que os televisores que na altura eram a preto e branco não tinham grande blindagem de filtrar o sinal, ora a TV deixava mesmo de receber sinal televisivo. Uma brincadeira que arranjei para chatear os vizinhos que se encontravam junto à minha casa e até na minha própria casa, quando a minha mãe me chateava lá ia eu interromper a telenovela. Aquilo era um gozo para mim.
Mas falando da rádio, com esse pequeno oscilador consegui levar o sinal da aparelhagem do meu irmão até à minha oficina, foi um show. Só para relembrar que nesta altura os rádios que tinham FM não eram muito comuns, rádios a transístores eram muito poucos, os mais utilizados eram os de válvulas e nem todos tinham FM ( Frequência Modulada ).
Esta novidade foi aceite com esplendor e agrado, pela minha malta. Como fizeste isso? Como é que isso funciona?… Uma novidade de ficarem boquiabertos. O que é certo é que já estava a fazer rádio sem o saber. Isto em 1979.
A malta amiga começou a interrogar-me porque é não conseguiam ouvir em suas casas?
Mais uma luta para eu conseguir explicar esta situação! Porque não consegues ouvir em tua casa? Vamos lá ver o que se passa:
1º A casa estava dentro do alcance, do sinal oscilador;
2º O rádio estava sintonizado, dentro da frequência atribuída;
3º Não se obtinha qualquer algum sinal, nem das estações nacionais.
O problema é que o rádio não tinha antena, dai não se conseguir ouvir a música e se ela era boa.
Lá se esticou um fio de cobre e mais um estrondoso sucesso, no rádio já se conseguia ouvir a música que se estava a enviar da minha oficina e também chegava a casa de outros colegas.
Os restantes souberam da novidade e quiseram partilhar da mesma proeza, ouvir em casa a música que eu estava a transmitir da oficina. Estou a falar de um alcance de 200m.
Tinha outros colegas que eram mais longe, daí o inicio da luta da distância. Coloquei uma antena fora de casa e aí ganhei umas centenas de metros, instrui os colegas como é que podiam conseguir captar a portadora ( emissão ),fazer a sintonia em FM ( ajustar a frequência ) e colocar uma antena nos receptores. Consegui a todo custo implementar na minha rua a audição da minha transmissão.
Por outro lado as mães não deixaram de acompanhar esta iniciativa e também passaram a ser ouvintes, só que a música não era adequada para elas. Então fez-se luz na minha carola e montei um micro com uma misturadora de fabrico próprio, convidei uns colegas para falarem ao micro: a lerem a revista “MARIA”, o tempo, a grelha televisiva e até o horóscopo, para que os nossos familiares pudessem ouvir. Grande problema, ninguém mas ninguém queria dar a voz porque se sentia envergonhado, então eu peguei num martelo e disse-lhes:
ou falas ou levas uma martelada, muito chorosos lá leram o resumo da revista. As suas mãezinhas ficaram todas babadas de ouvirem os seus filhotes no rádio. Logo aí ganhamos ouvintes.
Tive que dar um nome a esta brincadeira e então por unanimidade escolhemos – “Rádio Juvenil” ,freq 104.00 Mhz, sim porque a malta era toda juvenil. (continua...clique aqui para ler o restante)

Amanhã há feira na vila!

É já amanhã a Feira de S. Braz em Ferreira do Zêzere, era bom que o S. Pedro desse uma ajudinha para a festa ser rija... fica aqui o cartaz...

17.1.10

Feira de S. Brás 2010

Bem, já devem estar a pensar que o blog encerrou! Na verdade a actividade tem sido muito reduzida nestes ultimos meses mas vamos tentar ir publicando mais algumas coisinhas por aqui :)

Estou a publicar este texto hoje por causa de um comentário que o meu amigo António Bento deixou hoje
aqui, num post datado de 2006!!

A verdade é que já nessa altura eu escrevia sobre a magia que tinha a feira de S. Brás em Ferreira do Zêzere, é uma recriação de uma feira do antigamente... e como é bom reviver tradições.

Bento, eu na verdade não vou poder estar presente (esta é uma das desvantagens de estar a 10.000 kms de distância) mas deixo aqui o convite...


"A Feira/Mostra de S. Brás é uma réplica das Feiras realizadas nos anos 30 nesta sede de concelho, e na realização da sua 11ª Edição o executivo da Freguesia de Ferreira do Zêzere em estreita participação com diversas Associações da Freguesia vem uma vez mais apresentar uma Mostra de um evento que tem sido bem recebido a nível local.

Este ano, o executivo decidiu incluir uma Mostra da Tigelada, doce regional e bem conhecido desta zona.

A Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere convida todos os interessados em visitar a Vila de Ferreira do Zêzere no próximo dia 7 de Fevereiro de 2010, durante todo o dia haverá exposições, Folclore, Artesanato, Velharias e os Habituais trajes dos Anos 30."

15.6.09

Chindenguele

Chindenguele é uma praia a norte de Xai Xai, a cerca de 300 kms de Maputo, a viagem até lá é mais ou menos pacifica, apenas mais dificil é ultrapassar os ultimos 50 kms a seguir a Xai Xai, onde a estrada esburacada torna um pouco mais chata a viagem... mas vale a pena, um areal imenso quase só para nós faz-nos esquecer depressa o cansaço da viagem, depois o silêncio, só quebrado pelo ruido das ondas... e a paisagem maravilhosa... como este nascer do sol...


Para começar bem a aventura, quando chegámos fomos informados que havia um problema com a nossa reserva... bem, em resumo não tinhamos quarto, a opção da Elsa, a dona do lodge, foi ceder-nos a casa deles para passarmos a noite... lá ficámos, dormimos no piso superior, num quarto que provávelmente não era usado e que por isso mesmo estava com muito pó e alguns pelos de cão há mistura.... sim porque não só desalojámos os donos como também os dois cãezinhos granditos....


O pequeno almoço... uns ovinhos estreados com tomate... muito bom


A praia era uma maravilha... claro que com alguma ondulação mas nem por isso muito forte

As osgas.... eram dezenas.... apesar de fazerem alguns arrepios são um animal simpático, comem os mosquitos

Um gafanhoto gigante, quase apanhado pela Maria...


As Marias andam à pesca.. de conchinhas vivas

Uma borboleta, das muitas que por ali esvoaçavam, mesmo na própria praia... esta molhou as asas numa onda, não ficou muito bem tratada

Virando as costas ao mar temos dunas enormes, cobertas de uma densa vegetação... foi por aqui que avistámos uma familia de macacos...

A vista do alpendre da casa onde ficámos na ultima noite...

Quase no meio da selva, é quase impossível acreditar que a cozinha fosse tão boa...
O regresso... com um pôr do sol magnifico...

26.4.09

E se Obama fosse africano ?

Esta é uma boa pergunta mas não é só isso... é o titulo do mais recente trabalho do escritor moçambicano Mia Couto.
Este sábado, na rua d'arte, um espaço recente mas já muito badalado na vida cultural da cidade de Maputo, Mia Couto veio apresentar o seu mais recente livro e presidir a uma sessão de autografos integrado numa mini-feira do livro que por ali acontecia por estes dias. Um fim de tarde muito interessante.
Confesso que não conheço a obra de Mia Couto, é uma das coisas que terei agora oportunidade de fazer e que pelo que já pude ler neste seu ultimo livro vai ser concerteza uma experiência muito enriquecedora.


Os livros que comprámos

No fim de esperar algum tempo na fila lá chegámos até junto de Mia Couto
A foto para a posteridade, Mia Couto a colocar um autografo no livro da Maria



A ver estrelas e andar na lua

Como a noite aqui cai cedo, às 18:00 já é completamente escuro, a escola da Maria organizou esta sexta feira uma actividade para dar aos pais e filhotes a oportunidade de observar os astros.
Do programa constava uma peça de teatro que representou de uma forma muito animada e divertida, a constituição do sistema solar onde todos os planetas se apresentaram e onde cada um deles tentava mostrar o que de melhor tem e qual o seu papel dentro do sistema solar.
Depois da peça de teatro abriram-se as actividades livres, observação dos planetas através de dois telescópios, montados no jardim da escola e para os mais pequenos, um atleier de pintura onde se convidava a pegarem no pincel e desenharem num painel tudo o que tivesse a ver com o tema.

A noite terminou com um jantar partilhado onde cada um trouxe qualquer coisa para preencher as mesas e para servir de repasto a toda a gente que participou nesta actividade divertida.


A experiência da cientista Maria

A sala da Maria, na Escola Portuguesa, tem como tema este ano "os cientistas", ora como todos eles gostam de experiências, os pais são convidados a irem apresentar uma experiência à escola, desta vez calhou à Maria e as experiências que ela e a mamã Susana foram apresentar foi a cobrinha giratória, um papel recortado em espiral que com o calor de uma vela começa a girar e "encher o balão" , uma mistura com fermento e vinagre gera o gás suficiente para encher um balão.

A rapaziada na espectativa
A preparação da mistura para gerar o gás
À espera que o balão encha.... pois... demora um pouco!

A cobrinha giratória da Maria


Para quem quiser repetir as experências aqui ficam os ingredientes:

Cobrinha Giratória

Material:
1 cartolina e 1 folha de papel branco
marcador encarnado e preto
tesoura
cola e lápis
fio, vela e isqueiro


Preparação/Experimentação:
Desenha uma espiral na cartolina e recorta,
(o inicio da espiral vai ser a cabeça da cobrinha,
e o final o rabo).
Pinta uns olhos na cabeça da cobrinha.
Na folha branca desenha uma língua bifurcada,
pinta-a de vermelho e cola-a na cobrinha.
Faz um furo na cabeça da cobrinha e ata o fio através do qual a vais pendurar.
Acende a vela e coloca por baixo da cobrinha,
Depois de a pendurares ou de alguém a segurar
pelo fio.

Depois de colocares a vela por baixo da cobrinha que está pendurada, irás ver esta a girar.
Toma cuidado para que a vela fique a uma distância, que faça girar a cobrinha, e não a queime!
Nunca acendas a vela sem a presença de um adulto, e nunca a deixes acesa.
Conclusão da experiência:
Além de divertida, esta experiência mostra-te como a energia pode ser usada para gerar movimento.
Como o ar quente é mais leve, ele sobe e vai fazer girar a tua cobrinha, assim como nos balões de viajar, é necessário eles terem ar quente para encherem e levantarem voo.


Encher o Balão

Material
Balão
Garrafa de plástico
Fermento para Bolos
Vinagre
Colher de chá


Preparação/Experimentação:
Deita 3 ou 4 colheres de chá de fermento para dentro da garrafa.
Adiciona vinagre até cerca de um terço da capacidade da garrafa.
Tapa a garrafa com o balão e aguarda!
Conclusão da experiência:
O ácido acético do vinagre reage com o bicarbonato de sódio do fermento dos bolos.
Essa reacção tem como um dos seu produtos o gás carbónico, que se vai libertar e encher o nosso balão.


Sai uma grade de superbock... para o jardim

Malta... não deitem as garrafas de cerveja vazias para o lixo... estamos sempre a aprender e aqui está uma idéia para um re-aproveitamento das garrafitas vazias....


Se já andava preocupado com as garrafas "sem retorno" que iam directamente parar ao caixote do lixo (na melhor das hipoteses), aqui fica uma idéia para arranjar os canteiros do jardim lá de casa.

O nosso carrito

Pois é, comprámos um carro para podermos conhecer um pouco melhor este país de contrastes, Moçambique tem sem dúvida coisas magníficas para descobrir e agora concerteza vai ser mais fácil com este 4x4 que apesar de não ser o ultimo modelo concerteza vai ser um bom companheiro de aventuras por aqui...




25.4.09

Praia de Xai Xai

No dia 7 de Abril é o dia da mulher Moçambicana... por incrivel que pareça num país em que os direitos das mulheres são tantas vezes desrespeitados existe um dia dedicado a elas, com comemorações oficiais e feriado nacional.
Este ano calhava numa terça-feira e aproveitando o facto, já que apesar de não termos "ponte" teriamos a terça para descansar, acabamos por escolher esse fim de semana para rumar a norte, decidimos ir conhecer a praia de Xai Xai.
Sábado de manhã, arrumada a trouxa, zarpámos estrada fora e depois de 2 horas e meia chegámos a Macia, onde fizemos uma única e breve paragem para comprar uma lata de castanha de cajú porque ali é terra de cajueiros e nem é nada má... lá fomos trincando cajú e acelarando estrada fora até Xai Xai.
Mesmo ao chegar a Xai Xai percorremos um vale magnífico com uma planície verdejante que faz lembrar a leziria ribatejana e onde as manadas de gado pastavam serenas num convivio pacifico com os carros que ciculam na estrada nacional que por ali passa.
Chegados a Xai Xai instalámo-nos e fomos dar ums voltas por ali para conhecer o que afinal Xai Xai tem para oferecer.
Uma praia com um areal a perder de vista, um cordão rochoso que a poucos metros da praia quebra a ondulação forte do índico, uma pequena povoação e algumas estruturas hoteleiras abandonadas que são testemunho da grande importância que esta praia já teve noutros tempos.
Acabámos por nos render a uma praia que pela sua agressevidade não nos cativou de imediato, mas acabou por ser uma experência interessante e no fim das contas o saldo até foi bem positivo.


Chegada à praia de Xai Xai


Alguns trilhos percorridos à descoberta


A praia de Xai Xai


As meninas a curtir a praia


Top model ?!?

Depois de muito escavar lá conseguimos fazer a nossa piscina :)


Outra zona da praia, mais longe da povoação, onde os lodges sul africanos abundam por ente a densa vegetação.
Casinhas nices!
Vende-se tudo por aqui

-Pai, põe lá o pião a rodar
-Maria, tens de pedir aos meninos para te dizerem como é... eles é que sabem "bater pião"

Colares de conchas, búzios, piões... vendo tudo... faço bom preço!

Praia dos anos 70 ;)
pôr do sol na praia de Xai Xai